Montadoras de veículos prorrogam prazo de suspensão da produção por conta do Coronavírus

Para conter a disseminação do Coronavírus muitas montadoras de veículos suspenderam seus processos produtivos. Em nota publicada em 19 de Março de 2020 a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) já comunicava que em função do agravamento da crise gerada pela Covid-19 as montadoras associadas estudavam ações de paralisação das suas fábricas pelo Brasil e discutiam caso a caso com seus sindicatos.

De fato, ocorreu. Houve interrupção da produção, férias coletivas e utilização de banco de horas. Infelizmente até o momento o cenário é incerto e todas as ações tomadas têm como principal objetivo combater a propagação do vírus. Por conta disso, além do prazo de suspensão já previsto, algumas montadoras já publicaram notas informando a prorrogação de paralisação de suas atividades.

A Toyota do Brasil divulgou que a nova previsão de retorno em todas as fábricas será no dia 22 de abril. A medida visa atenuar os riscos à saúde de seus colaboradores e de seus familiares pelo avanço da pandemia do coronavírus, e leva em consideração demanda e disponibilidade de fornecedores e cadeia logística. 

Salientou ainda que processos como o fornecimento de peças de reposição para veículos, incluindo aqueles utilizados por órgãos públicos, estão funcionando normalmente.

A Toyota segue monitorando o assunto e avaliando a situação momento a momento, conforme as orientações das autoridades locais.

A Volkswagen do Brasil informou a extensão da suspensão da produção em todas as quatro fábricas no País até o final do mês de abril. A produção será retomada de acordo com a programação da cadeia de suprimentos e de logística de cada fábrica.

Em nota oficial a Moto Honda da Amazônia informou que também suspendeu suas atividades produtivas em sua unidade fabril deste o dia 27 de março e o retorno previsto para 13 de abril, podendo ser postergado para o dia 20 de abril.

Além dos colaboradores diretamente envolvidos no processo produtivo, os profissionais das áreas administrativas também entraram de férias coletivas ou regime de Home Office. As atividades imprescindíveis, que não podem ser realizadas a distância, foram mantidas contingente mínimo de colaboradores, com as medidas de prevenção recomendadas pelas autoridades para proteger as pessoas e conter a disseminação do vírus.

Até o momento, outras montadoras continuam com a suspensão das atividades como informado no início, são elas:

A General Motors que já havia anunciado que seus funcionários ficariam em casa entre os dias 30 de março e 12 de abril. Em nota, a GM afirmou que o objetivo é ajustar a produção à demanda atual do mercado. A paralisação é válida para todas as cinco fábricas da montadora no país.

A Ford também informou que suspendeu temporariamente a produção de suas fábricas no Brasil  e que essa suspensão nas unidades da Ford em Camaçari (BA) e Taubaté (SP), assim como na fábrica da Troller em Horizonte (CE), que está em vigor desde o dia 23 de março e permanece com as atividades programadas para retomada em 13 de abril.

A Renault do Brasil que previa parar no dia 25 de março, se antecipou e para o dia 23 de março em função da divulgação feita no dia 20 de março à noite pelo Ministério da Saúde que todo o território nacional já estava sob o status de transmissão comunitária do coronavírus. E a decisão de paralisação vai até dia 14 de abril.

A Nissan do Brasil informou que para evitar o contágio entre seus funcionários paralisou a produção no Complexo industrial de Resende do dia 25 de Março com previsão de retorno para o dia 22 de abril.

A Fiat Chrysler que também já havia anunciado a paralisação total da produção em todas as unidades do Brasil desde o dia 27 de março, e informou que serão retomadas em 21 de abril.

Mais informações serão divulgadas em breve no Blog Cadê Guincho.

Deixe um comentário

5 × três =